A “profissão” de mãe

Maio 4
2 Comments

Olá, olá! A difícil profissão de mãe. Quando se fala na profissão mais antiga do mundo, todas sabemos no que pensamos, mas de facto a “profissão” mais antiga e mais difícil do mundo é ser MÃE. Apesar de naturalmente termos instintos que nos ajudam nesse “trabalho”, quando chegamos nosso primeiro dia de “emprego” não temos qualquer experiência, nem aulas ou qualquer curso para desempenharmos essa função; pelo contrário, normalmente temos várias pessoas a darem sentenças, cada uma mais desestabilizadora do que a outra. Entregam-nos o nosso primeiro “projecto” para as mãos e sem qualquer licenciatura ou mestrado, temos de o desemprenhar para o resto das nossas vidas da melhor forma, mesmo assim sentimo-nos constantemente a falhar e tudo de menos bom que acontece, o erro foi nosso, a culpa é nossa. A juntar é um emprego sem horários, deixamos de ter horas para dormir, para comer, nunca mais temos aquele sono profundo sem pensar que alguém pode precisar de nós a qualquer hora, nunca mais estamos na casa de banho sem ser interrompidas 10 vezes, a nossa vida passa para segundo plano, nós próprias deixamos de ser a nossa prioridade. Depois começam a crescer, a chamar-nos más, nós a sentirmo-nos ainda mais más porque os castigamos ou temos de lhes ralhar, apesar de sabermos que é o melhor para os educarmos…. Temos de ser cools, acompanhar as novidades do momento, ser divertidas e amigas qb para que falem connosco e desabafem os seus problemas, mas até à fronteira certa, pois mães não são para serem as melhores amigas, apesar de nos apetecer que seja assim.

DSC00701

Claro que recebemos o melhor pagamento do mundo, aqueles miminhos tão bons e acompanhar o crescimento dos nossos filhos, isso compensa todos os sacrifícios e dá força para muito mais, mas que não é fácil, não é!

Adorei este vídeo onde várias pessoas vão a uma entrevista de emprego, sem perceberem que as funções que lhes falam são as de qualquer mãe. Vejam as caras deles 🙂

Beijinhos,

Mónica

  1. É bem verdade, ser mãe muitas vezes não deve ser pêra doce e nós muitas vezes também não facilitamos. Mas é uma profissão que dá muita cor à vida 🙂

    Vanessa S.
    De Saltos por Lisboa,
    desaltosporlisboa.blogspot.pt

  2. Ai, Mónica como é Tão verdade o que disse. Eu ainda não fui mãe, mas tenho uma irmã que faz 12 anos de diferença de mim e já exigiu tanto: ensinar a estudar, as primeiras dificuldades nas amizades e namoros, as decisões escolares, as más respostas, desviar sem proibir uma companhia menos apropriada, as altas horas de madrugada para ir buscar a menina a concertos, festas e afins (pois queria ver o ambiente dos amigos e como ela vinha), enfim uma autentica dor de cabeça e muitas vezes uma grande dor no coração. VALEU A PENA! Hoje somo muito chegadas e temos uma relação excelente, no entanto, nem sempre é assim…Por vezes, depois de tanto trabalho e dedicação somos “despedidas” e sem quaisquer direitos.

    Beijinhos

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Resolva esta operação (para sabermos que é humano) *