Liliam Fashion Week in London
  • 20 March 2015

  • 09.00 - 16.00 (Monday Free)

  • 21 King Street, Melbourne Victoria 3000 Australia See in Map

  • Nullam quis risus eget urna mollis ornare vel eu leo. Vestibulum id ligula porta felis euismod semper. Duis mollis, est non co.

  • Read More

As regras da escola são as regras da Vida! por Clara Castela

Novembro 14
No comments yet

Existem, são debatidas, conversadas e são para cumprir ou … quebrar. Hoje afixei as “Regras da Sala”. Depois de conversar muito com os meus pequeninos sobre a necessidade de haver regras na “nossa sala”, elas apareceram visíveis e registadas num modelo “formal”. Vi-os a ler. Sim, crianças de três anos a ler o regulamento da sala em texto e imagem, a debaterem com os pares o que “liam” e a usarem-nas para regular comportamentos e aprenderem a auto gerirem as suas tenrinhas consciências e atitudes.

As Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar, na sua Área da Formação Pessoal e Social, defendem uma organização educativa, com conteúdos próprios e transversais. A incidência no desenvolvimento de atitudes e valores sugere-nos a promoção desta área no desenvolvimento da liberdade, do pensamento autónomo, do espirito crítico tornando a criança um ser cada vez mais autónomo, consciente, solidário e um bom cidadão.

Ora, toda a gente sabe que as regras são orientadoras, provocam o pensamento, questionam, põem em causa, e por vezes provocam-nos na forma como as integramos. Para mim são essenciais no desenvolvimento moral e tornam-se eficazes se as usarmos com uma intencionalidade formativa e não como um modelo impositivo.

As relações e as interações das crianças num espaço partilhado devem ser geridas com autenticidade, cuidado e respeito pela individualidade de todos. Partilhar espaços, brinquedos, ideias e afetos não se apresenta uma tarefa fácil, mas é tão necessário como satisfazer a necessidade mais básica.

As regras da escola são mesmo as regras da vida. Só somos respeitadores se aprendermos a respeitar, só somos solidários se nos ensinarem este valor, só somos generosos se nos mostrarem  a generosidade, só somos gratos se conhecermos a gratidão. A vida encarrega-se de nos piscar o olho. E por lá, na minha sala, há vida! E as crianças refletem os ensinamentos da vida, da família, da escola, dos grupos sociais, das instituições, do país.
Entre o que podemos, não podemos, ou devemos fazer lá pela sala, a criança tem a liberdade de perguntar, debater, errar, ser ouvida e têm igualmente a liberdade de arriscar. E que bom que é arriscar!  Voltaremos a falar sobre esta temática, certamente.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Resolva esta operação (para sabermos que é humano) *