Encantadores de Esperança, por Clara Castela

Dezembro 12
No comments yet

O mundo sabe que as crianças são seres encantados. Encantados e encantadores. Trazem sempre magia no olhar e esperança nas maçãs avermelhadas que enfeitam o rosto. Cada vez que os olhos de uma criança brilham o mundo rasga um sorriso de orelha a orelha. É que os olhos de uma criança brilham com facilidade, com a simplicidade das coisas pequenas, com a sonoridade de palavras que aquecem o coração. Os olhos de uma criança brilham com uma bola feita de trapos, com uma boneca zarolha, com uma garagem de papelão, com uma caixinha de botões ou com uma canja de galinha feita pela avó (são sempre as que sabem melhor!).

As crianças são encantadores de esperança. Serpenteiam gargalhadas contagiantes. São flautistas da melodia da nossa vida, inventam histórias de todas as cores, dão nomes às estrelas, riem-se do nada e colecionam bichos e sonhos. Guardam nos bolsos significados que os outros não entendem mas que servem para fantasiar. A sua vida é muito agitada e agitam todos os que lhe dão vida. Têm um formigueiro na ponta dos dedos e esticam, e esticam e esticam as horas de descansar.

As crianças têm habilidades inatas que nos hipnotizam…até o ruído melódico do seu choro provoca em nós sensações que desconhecíamos existir. Muitas vezes deixam-nos boquiabertos com tanta sabedoria.

Também existem as encantadoras de esperança sem esperança…e é a essas que temos que nos dedicar, que temos que olhar, que temos que cuidar, que temos que alimentar, que temos que fazer sorrir, que temos que vigiar, que temos que resgatar, que temos que fazer sorrir. Elas são portadoras de esperança. São elas que nos fazem acreditar na igualdade, na solidariedade, na gratuidade, na alegria, na esperança de as ver crescer com os mesmos direitos de todas as outras. Que uma estrela brilhe bem forte por cada delas, que as encante e que lhes devolva a esperança. Feliz Natal Encantadores!

 

Fotografia

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Resolva esta operação (para sabermos que é humano) *