Cuidados com os miúdos nas piscinas

Julho 13
1 Comment

Olá, olá! Cuidados com os miúdos nas piscinas. Ontem estava com as piolhas na piscina e de repente apercebi-me que passo o dia com o dedo indicador espetado, a abanar de um lado para o outro, como quem diz não. Era isto ou estar o dia aos gritos para o outro lado da piscina a dizer “não faças isso!”, o que não posso pois seria bastante desagradável para as outras pessoas que lá estão. Quando me apercebi deste minha realidade, pensei “GRANDA CHATA! Coitadas das miúdas, és pior do que a tua mãe!”. Mas confesso que tenho pânico de piscinas, apesar de saberem as duas nadar, um mergulho mal dado pode ter consequências muito graves. Eu trabalho num centro de reabilitação e ouço diariamente histórias de miúdos que ficaram tetraplégicos porque escorregaram à beira da piscina e caíram mal, porque mergulharam numa zona com pé e bateram no fundo ou simplesmente porque entraram mal na água. Como podem imaginar, com todas estas histórias reais, é muito difícil conseguir ignorar estes perigos, apesar de me tentar controlar, se não as minhas filhas não vivem.

Nesta altura do ano, que começam as férias para muitas famílias, com idas à praia e muitos mergulhos na piscina, é sempre importante relembrar os cuidados que devemos ter, para termos umas férias felizes, seguras e sem sustos.

  1. As piscinas devem ser vedadas, para além de bloquear o fácil acesso às mesmas, também impede ideias de correrias para a piscina. Mas nunca esquecer que a vedação não substitui a supervisão.
  2. Avise, avise e relembre (nunca é demais) os miúdos que não podem correr para a piscina, normalmente os pisos molhados são escorregadios.
  3. Atenção aos mergulhos, verifique sempre se estão na zona funda e acompanhe-os a mergulhar. O ideal era mesmo não mergulharem para dentro da piscina, mas percebo que não podemos proibi-los de tudo.
  4. Explique ao seu filho os perigos e as regras de segurança da piscina, os cuidados que deve ter consigo e com os outros.
  5. Atenção aos empurrões, cavalitas dentro de água ou brincadeiras mais “violentas”, uma cabeça na berma da piscina pode causar inconsciência dentro de água.
  6. As crianças que não sabem nadar devem estar sempre com boias, mesmo fora da piscina.
  7. E claro, o mais importante, muita supervisão principalmente quando estão dentro de água, mesmo que saibam nadar e estejam em zonas com pé.

Ficam as minhas dicas, podem parecer um pouco exageradas, mas prefiro prevenir do que chorar.

Beijinhos,

Mónica

  1. Flavio

    Julho 26

    Achei super valido seu artigo, sobre cuidado com as crianças na piscina. Nós aqui já passamos por apuros quando nosso pequeno tinha3 anos. Obrigado por compartilhar.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Resolva esta operação (para sabermos que é humano) *