Hoje voltei da praia indignada

Agosto 25
11 Comments

Olá a todas! Hoje voltei da praia indignada com a falta de civismo de certas pessoas. Alguém me explica, porque será que numa praia onde há dezenas de metros quadrados livres, surge uma família barulhenta de cinco pessoas e escolhe montar arraial a 2 metros de onde nós estávamos??

monica

Já os estava a ver. quando chegaram vieram em fila, com sacos de plástico e , a adolescente com uma criança vestida apenas de fralda e sem chapéu (todos os restantes vinham de boné), um adolescente a abrir uma lata de cerveja, um senhor a transportar 3 cadeiras, uma senhora a carregar uma lancheira e dois termos, a caminhar em flecha direitinhos para trás de nós. A dois passos quando podiam estar a doze ou a quinze…

Mas podia ter corrido tudo bem. Todos nós já estivemos em praias cheias de gente, com pessoas quase coladas à direita e à esquerda, atrás e à frente, às vezes quase em cima de nós…

Ora esta família tinha outra escolha. Podia ter ido para mais longe, mas não. Podiam ter optado por uma permanência calma e civilizada, mas nem sombra.

Era o sacudir das toalhas ao sabor do vento, o montar do guarda sol acompanhado de uma valente discussão entre todos (acho que até o bebé soltou um palavrão) aos gritos, o pai chamava gorda à filha, a mãe chamava anormal ao filho, o namorado da filha (imaginei todas estas relações, não tendo a certeza delas, resolvi assumir esta ordem de parentesco) ria-se quando gozavam com as imperfeições  da própria namorada e logo após, repentinamente, em tom de cereja no topo do bolo, surge um imenso cheiro a lulas misturado com um forte aroma a fritos.

A família começou a almoçar e o tom das conversas subiu. Ferviam palavras que as minhas filhas nunca tinham ouvido.

Apesar de o meu marido estar na água, não quis esperar. Agarrei calmamente em tudo o que tínhamos e fiz duas piscinas até cerca de 10 metros de distancia, onde alinhei as nossas quatro toalhas e tudo o resto. O bebé continuava sem chapéu.

Procurei no meu saco por um chapéu que pudesse ter a mais. Não encontrei. Estava eu perante esta equação, vou ou não vou salvar aquele bebé que gatinha sem chapéu (fora do guarda sol!), quando reparo, de esguelha, que a “avó” tirou o seu boné amarelo e acomoda-o na cabeça do rebento. Ainda bem. Podem chamar-me exagerada mas eu não ia conseguir estar sossegada, sabendo que estava um bebé com menos de 12 meses a fritar a sua tímida cabecinha, minuto atrás de minuto. Estavam mais de 30 potentes graus!

Agora, já em casa, continuo indignada e sem perceber o porquê de certas pessoas não respeitarem o espaço dos outros. Será que é preciso haver uma sinalética nas praias do género “Se houver espaço, escusa de se colar  quem não conhece”…? Ou talvez outra para certas mães… 

Beijinhos,

Até já

Mónica

 

  1. Veruska

    Agosto 26

    tstt..tst…tst…Tá-se mesmo a ver que não frequentas as praias do Sotavento algarvio…:)

    • Mónica

      Agosto 26

      Porquê? Não sei se percebi…

    • Carminho

      Agosto 26

      Nunca reparei que levassem o “farnel” no Sotavento, pelo contrario, achava e acho graça de ver que vao almoçar a casa,voltarem à tarde e sairem da praia pelas 20H00. So se fôr ao Domingo … Ja agora qual a praia que se refere?

  2. realmente é impressionante o comportamento tuga em algumas praias do país. Ora na praia de Espinho as pessoas reclamam para si uns bons metros quadrados de praia usando, para isso, tendas+chapéus de sol e depois cercam-nas com vários corta vento e se estiver muita sombra nesse “lote” metem a toalha do lado de fora para a apanhar sol! Além de ser difícil arranjar um lugar, quando estamos descansadinhos vêm umas tias e metem o corta vento dentro da nossa sombra do chapéu, como mal cabíamos entre o chapéu e o pau quando chegou a hora de almoço, acabamos por mudar de lugar!

  3. Rute

    Agosto 27

    Pensei que era só a mim que isso acontecia. Tanto espaço para abancarem e tem mesmo de ser em cima de outras pessoas. Bolasssss

  4. valeria

    Agosto 27

    vcs terão sempre uma solução, não vão á praia certo? ja pensaram que estas pessoas possuem o mesmo espaço que vcs?
    enfim percebo vossa indignação mas não compreendo, se querem ir a praia que é um lugar público sem raça nem poder aquisitivo, vão á praias privadas ou não saiam de casa!!!

    • Vanda Maio

      Agosto 29

      Todos sabemos que as praias são publicas e todos têm direito de as usufruir, mas há uma coisa, que pouca gente conhece, que se chama civismo, isto para não falar de educação.
      A família descrita não tem uma coisa nem outra. Esses sim deviam de estar enfiados em jaulas, até aprenderem a comportar-se em publico.

    • Patricia

      Setembro 2

      Bom…
      Parece-me que realmente a noção de boa educação e civismo está muito deturpada e não chega à todos da mesma maneira, é pena!
      Exactamente por ser um local público, devemos respeitar o ambiente como um todo e para todos. Não vamos amordaçar as crianças e nem proibí-las que brinquem ou até por acidente nos pise nas toalhas, há coisas que só quem é pai ou mãe percebe. Mas tratando-se de adultos, é possível sim moderar a linguagem e não é bem mais bonito?Para fazer feio e colocar cá para fora toda a sua má educação, procurem uma praia privada, por que não?
      😉

  5. teresa

    Agosto 29

    É precisamente à custa destes comportamentos que já desisti há mto de ir para a praia em Agosto. Não há civismo de espécie nenhuma!!! uma vez, em meia hora, tive que mudar 3 vezes de lugar, pois cada um (grupo) que chegava à praia fazia o obséquio de se instalar mesmo ao lado da minha toalha…enfim…bebés sem chapéu??? até faz impressão a quantidade…

  6. Patricia

    Setembro 2

    Compreendo a indignação, assistimos à várias situações de total irresponsabilidade dos pais, sinto-me por vezes uma tresloucada, sempre atrás dos meus filhos com o boné em uma das mãos e o protector na outra, apesar de os levar de casa já com a primeira “de mão”.
    Mas estas irresponsabilidades não se resumem só às praias, no nosso dia a dia é muito comum encontrar pais irresponsáveis e cidadãos sem a menor noção de valores e boa educação. É vergonhoso!! Parecem que sentem-se orgulhosos das figuras tristes que fazem 🙁

  7. Manuel

    Março 11

    Se eu não percebesse que a autora precisa de conteúdos para publcar, dizia-lhe que podia ter-se levantado e mudado para um sítio mais tranquilo da praia. Evitava as cenas lamentaveis por que passou e salvava o seu dia. O tempo é precioso demais para deixarmos alguém roubar-nos uma tarde bem passada. Resumindo: if you can’t change the world, change yourself 🙂

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Resolva esta operação (para sabermos que é humano) *