A minha receita de vida é melhor que a tua!

Agosto 10
4 Comments

Olá, olá! Durante estas férias deparei-me com situações que me fizeram pensar bastante na prepotência de algumas pessoas. Começo por vos perguntar se acham que a vossa receita de vida é melhor do que a das outras pessoas. Acham que sim? Acreditam realmente que a maneira como decidiram viver é superior à de todas as outras possibilidades? Antes de vos dar a minha opinião, começo por vos relatar alguns episódios.

1 – A tia de uma das minhas amigas contou-me que a certa altura resolveu ir viver para uma comunidade dentro do estilo “peace & love”, onde cultivavam para comer, não tinham eletricidade e dependiam essencialmente uns dos outros. A meu ver, até aqui – tudo bem! A minha boca só se escancarou quando na continuação desta história me explicou que a sua família mais próxima a passou a olhar totalmente de lado. Como se fosse um bicho do mato que tinha endoidecido só por assumir aquilo em que acreditava ser uma boa estratégia de vida.

2 – O skipper do barco que alugámos, num dos dias da nossa primeira semana de férias, a principio pareceu-nos muito simpático e até demonstrou alguma “sabedoria de vida”. Gostava de contar histórias de outros turistas que tinham passado “pelas suas mãos” e no meio de alguns mergulhos lá o íamos ouvindo. Mas de repente… começou a empolgar-se bastante enquanto nos descrevia que tinha recebido quatro senhores no seu barco e durante a viagem um deles resolveu dar a mão ao outro. E de sorridente o homem passou a agressivo na forma como descrevia a maneira de lidar que tinha adoptado perante aquela “terrível” situação. “Eu ofereci-lhes porrada caso os voltasse a ver naqueles preparos”, “no meu barco não quero nojices dessas”, repetiu o senhor com um ar orgulhoso da sua atitude, em tom de gabarolice.

3 – No meio de uma simpática tarde, sentei-me numa esplanada a beber um café com gelo. Na mesa do lado estavam quatro miúdas/ mulheres/ senhoras com os seus 25/27 anos e, cusca como sou, acabei por não conseguir deixar de ouvir o “corte e costura” em que estavam envolvidas. Uma delas falava mais que todas as outras e contava com um ar de lamento que a Luísa, sua amiga de sempre, tinha trocado a possível  carreira pela maternidade a que agora se dedicava a full time. “Já vai no quarto filho, acham normal?!” – perguntava ela. “Foi uma das melhores alunas do curso e agora estupidificou em casa, deitou tudo a perder! Depende do marido financeiramente e só sabe falar de crianças, não há paciência!!”. A resposta que se seguiu, das outras amigas, ainda me indignou mais – “Coitaaada!” – disseram elas quase em coro. Uma delas ainda arrematou – “Isso hoje em dia já é sinónimo de estupidez. E já me contaram que eles ainda querem ter mais…”

Porque raio terão certas pessoas de achar que a sua receita de vida é melhor que a dos outros? Quem nos diz que renunciar às tecnologias é melhor que a correria actual? Onde está escrito que dois seres humanos não se podem amar se forem do mesmo género? Ou mesmo que esteja escrito, a ignorância não pertence só aos analfabetos! E qual a razão que terão as mulheres em achar que são melhores que as outras que vivem quase em exclusivo para a família? Serão elas, por regra, mais felizes? Não!!

Resumindo, concordem ou não comigo, temos de tentar entender quem nos parece diferente. E mesmo não conseguindo descodificar as escolhas de terceiros, há que saber respeitá-las. Esta sim, deveria ser uma regra universal.

Beijinhos,

Mónica

 

  1. Acima de tudo devemos tentar ver a vida pela prespectiva do próximo.

  2. É mais fácil criticar, falar só por falar, nem vez de tentar perceber as escolhas de vida de outras pessoas.
    Há um talento natural para não aceitar as escolhas que são diferentes das nossas…

    http://adorosercomosou.blogspot.pt/

  3. antonio

    Agosto 10

    Minha senhora…. tiro-lhe o chapeu pelo seu texto.
    🙂 five stars

  4. Prenderam um maricas que destruiu um país inteiro e há quem o defenda. O animal de estimação de um certo juiz foi envenenado acabando por morrer de agonia 2 semanas depois. Também entraram no apartamento desse juiz e colocaram uma pistola em cima da fotografia dos filhos.
    Um apresentador de televisão pedófilo, antes cozinheiro, continua em liberdade a exprimir a sua opinião na TVI apresentando programas com criancinhas. José Castelo Branco roubou joias tendo sido preso pela P.J., mas pagou caução. No código penal português, violar uma ou mil vezes uma criança, a pena é a mesma.
    Mas o skipper é que está mal na fotografia…

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Resolva esta operação (para sabermos que é humano) *