Não devemos deixar os nossos filhos sozinhos com o pai. Sabem porquê?

Março 19
4 Comments

Olá, olá! Não devemos deixar os nossos filhos sozinhos com o pai. Sabem porquê? Hoje é o Dia do Pai, o dia do nosso herói, amigo, porto de abrigo, conselheiro… por isso nada melhor do que partilhar convosco alguns momentos hilariantes dos pais 😉 Deixo-vos algumas provas que mostram porque não devemos deixá-los sozinhos com o pai!

Verdade seja dita… sempre que deixo as miúdas sozinhas com o pai, quando chego a casa tenho sempre tudo virado do avesso. Mas elas estão sempre super felizes e divertidas!

Aqui ficam algumas imagens dos desastres que acontecem por aí! 🙂

1- Coisas assim podem acontecer

pai sopra filha com máquina das folhas

2 – …porque o pai se quer divertir

pai anda com filha no cart

3 – Ou porque os filhos se querem divertir!

pai desentope filho no supermercado

4- Mas afinal quem é que acaba por se divertir mais?

filhos-sozinhos-com-pai-a-mulher-e-que-manda4

 

filhos-sozinhos-com-pai-a-mulher-e-que-manda5

filhos-sozinhos-com-pai-a-mulher-e-que-manda6

filhos-sozinhos-com-pai-a-mulher-e-que-manda7

filhos-sozinhos-com-pai-a-mulher-e-que-manda8

 

E a vocês, acontece-vos coisas do género? Qual foi a coisa mais louca que já vos aconteceu quando chegaram a casa depois de deixarem os miúdos sozinhos com o pai umas horas?

Beijinhos, até já,
Mónica

 

Ver também:

Como apanhar um homem a mentir

Há pais que deviam ter vergonha na cara

Deviam existir regras para as visitas na maternidade

O dia-a-dia de uma mulher moderna

As 7 coisas que todas as futuras mães deviam saber

Bater (ou não) nas crianças

4 PASSOS PARA UMA BOA RELAÇÃO!

6 SINAIS DE PERIGO NUMA RELAÇÃO

Alerta para o perigo de localização de fotografias

Mãe salvou três crianças de morrer num penhasco e nem imaginam como!

  1. alex

    Janeiro 19

    a parvoíce EUA tudo e possível agora englobem o resto dos homens pois por vezes tratam melhor os filhos que muitas mães que nunca os deveriam ter tido

  2. É preciso ser-se MESMO muita estúpida…O que precisavas sei eu.

  3. Acho que nos casais deve haver amor e respeito. Marido amar a mulher e aprender a compreender a esposa, e a mulher respeitar e aprender a sujeitar-se à maneira de ser do marido. Não haver quezílias de argumentar que existem os “erros do conjugue” quando nós erramos também, temos falhas. Por isso a reparação e a detecção de erros deve começar por olharmos para nós próprios, para os nossos erros que cometemos. Casamentos não são concerteza simples, mas pior que isso é criar condições que se leve ao sofrimento de ambos. Não e só um que tem que trabalhar pelo conjunto, são os 2. E basta que um comece dando o exemplo não reparando nos erros do outro, mas nos seus. E só depois de olhar para os seus e corrigi-los aí penso ter capacidade de visualizar com mais sensatez o que pode fazer para ajudar o outro conjugue a melhorar. O caminho fácil é fácil de percorrer, pois implica escolhas fáceis e pouco esforço, mas pode levar à descontrução da pessoa. O caminho dificil, é dificil de percorrer porque implica escolhas dificeis,às vezes sofrimento, mas também nos ensina a ser mais compreensivos, misericordiosos, piedososa ter mais sensibilidade para com o ser humano. É dificl deixar de julgar. É dificil deixar de olhar para os erros dos outros e aprender a olhar para os seus. No entanto este último caminho é aquele que pode levar á contrução e a que sejamos melhores. Pode ser uma cruz, mas seguir uma bem, como Cristo dizia, pode ser semelhante a “quem quer ser meu discipulo, carregue a sua cruz e siga.me”. E os casais acho que devem lembrar-se disso, do compromisso de casamento, de um compromisso perante Deus, um caminho por intermédio de Cristo, de aprendermos a ajudarmo-nos mutuamente e procurar evoluir como pessoas, não fazer os outros tropeçar. Fazer aos outros aquilo que gostaríamos que nos fosse feito a nós. Haja fé, piedade, amor, esperança. Haja compreensão e solidariedade também. Fica a sugestão.

  4. Sara

    Janeiro 20

    Toda a gente nos comentários a levar esta publicação tão a peito, credo. A intenção era claramente humorística, não era uma dissertação a defender que todos os homens são inconscientes…

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Resolva esta operação (para sabermos que é humano) *